a. Introdução

A segurança das populações depende da capacidade para informar e sensibilizar relativamente a comportamentos que devam ser referência para o seu dia-a-dia, devendo valorizar-se uma vez mais o trabalho que é desenvolvido em prol da prevenção e na difusão de conhecimento de medidas de autoproteção em caso de ocorrência de acidentes e catástrofes.

Certo destes valores, o SRPC, IP-RAM tem assumido cada vez mais, a responsabilidade na realização de ações de sensibilização para questões de segurança, preparando e organizando a população face aos riscos e cenários previsíveis.

Estes ensinamentos, indicam estudos recentes, deverão ser aprofundados numa fase precoce, em termos de desenvolvimento, sendo por isso as crianças e os jovens os grupos alvo a privilegiar, em campanhas de sensibilização para a proteção civil, promovendo uma cultura de segurança, prevenindo comportamentos de risco e alertando para a promoção de atitudes e comportamentos adequados para a prevenção de acidentes e catástrofes.


Nesta conformidade o SRPC, IP-RAM desenvolve, em parceria com diversas entidades, vários projetos e ações de sensibilização, como por exemplo:

• Projeto “Segurança em Casa, na Rua e na Escola”;

• Projeto “Educação para a Segurança e Prevenção dos Riscos”;

• Exercícios de Mass Training em Suporte Básico de Vida, para a comunidade escolar e população em geral;

Dia da Proteção Civil;

Dia da Defesa Nacional.


O SRPC, IP-RAM participa também, pontualmente, e sempre que contactado para o efeito, em ações de sensibilização solicitadas por empresas/instituições.

 

b. Projetos


Segurança em Casa, na Rua e na Escola

Este projeto tem uma dinâmica externa às escolas, contemplando os estabelecimentos do Ensino Pré-Escolar, Ensino Básico do 1º, 2º e 3º Ciclo e Ensino Secundário, onde são agendadas sessões de sensibilização com alunos, docentes, não docentes, encarregados de educação e comunidade em geral.

As intervenções incluem, para além de elementos do Serviço Regional de Proteção Civil (SRPC, IP-RAM), elementos da Associação Insular de Geografia (AIG) e da Secretaria Regional de Educação (SRE). São realizados jogos educativos, briefings de segurança, visita às instalações, apresentações / palestras para crianças e adultos e exercícios de evacuação. As atividades a realizar dependem do público-alvo, mas usualmente incluem todas as anteriormente referidas (os jogos realizam-se apenas nos estabelecimentos do 1º Ciclo e Pré-escolar).

Este projeto teve início, em 2011 e desde então, já se realizaram mais de 700 sessões para um público que excedeu as 40 mil pessoas, dos quais cerca de 20 mil correspondem a alunos (dados referentes a novembro de 2017).
Neste período, o projeto percorreu todas as escolas públicas e a quase totalidade das escolas privadas da Madeira.

  •  Caraterização da Intervenção

    Os técnicos que participam nestas atividades iniciam a sua intervenção percorrendo a escola e as imediações, perscrutando e avaliando os riscos, recolhendo as informações essenciais às atividades que se vão seguir, nomeadamente briefings de segurança.

    Jardins-de-infância e Infantários
    Nos Jardins-de-infância e Infantários efetuam-se jogos com os alunos e um exercício de evacuação, seguido de um briefing no Ponto de Encontro.
    Realiza-se uma sessão sensibilização para adultos (docentes, não docentes, encarregados de educação e comunidade local), acerca dos avisos meteorológicos, riscos naturais e tecnológicos, bem como do Plano de Prevenção e Emergência da Escola e do Plano de Emergência Familiar (na escola ou em local a designar, perto da escola).
    Nas creches (até 3 anos), faz-se um briefing com os docentes e não docentes, seguido por um exercício de evacuação.

    Escolas Básicas do 1º Ciclo
    - Nas Escolas Básicas do 1º Ciclo (exceto no concelho do Funchal) realizam-se jogos com as turmas dos alunos do pré-escolar (4 e 5 anos) - inclui pequeno briefing com alunos antes de começar o jogo (Agentes Proteção Civil e Plano de Prevenção e Emergência da escola).

    - O jogo do CINFORI (num espaço exterior) realiza-se para os alunos do 1º Ciclo – jogam 2 turmas de cada vez – inclui um pequeno briefing com alunos antes de começar o jogo (Agentes Proteção Civil e Plano de Prevenção e Emergência da escola – alarme, caminhos evacuação, ponto de encontro, etc.).

    - É realizado um exercício de evacuação, seguido de um briefing com docentes e não docentes acerca do Plano de Prevenção e Emergência, na presença de Diretor e Delegado de Segurança.

    - Realiza-se uma sessão sensibilização para adultos (docentes, não docentes, encarregados de educação e comunidade local), acerca dos avisos meteorológicos, riscos naturais e tecnológicos e acerca do Plano de Prevenção e Emergência e Plano de Emergência Familiar (na escola ou em local a designar, perto da escola).
    Nas Escolas Básicas do 1º Ciclo do Funchal, realiza-se uma sessão sensibilização para adultos (docentes, não docentes, encarregados de educação e comunidade local), acerca dos avisos meteorológicos, riscos naturais e tecnológicos e acerca do Plano de Prevenção e Emergência e Plano de Emergência Familiar (na escola ou em local a designar, perto da escola). A Câmara Municipal do Funchal implementa nas escolas de 1º Ciclo as sessões junto dos alunos (Projeto Dar a Volta ao Perigo).

    Escolas do 2.º e 3.º Ciclo e Ensino Secundário
    - Nas Escolas do 2.º e 3.º Ciclo e Secundário, realiza-se uma sessão sensibilização para alunos (delegados e subdelegados de turma) e adultos (docentes, não docentes, encarregados de educação e comunidade local), acerca dos avisos meteorológicos, riscos naturais e tecnológicos e acerca do Plano de Prevenção e Emergência e Plano de Emergência Familiar (na escola ou em local a designar, perto da escola).

  • Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos
    Este projeto constitui uma área curricular criada pela Secretaria Regional de Educação (SRE), contemplando 7 subtemas, que é implementada nas escolas do 1.º, 2.º e 3.º Ciclo do Ensino Básico. Alguns dos subtemas estão relacionados com a segurança e Proteção Civil, sendo abordados anualmente em todas as turmas.
    O SRPC, IP-RAM enquanto interveniente ativo do processo, presta apoio direto e indireto ao projeto elaborando materiais didáticos usados nos temas relacionados com a Proteção Civil, ministrando formação aos Delegados de Segurança, apoiando a elaboração de Planos de Prevenção e Emergência, colaborando na realização de exercícios internos e intervindo na realização de palestras.
    No âmbito deste projeto, a sensibilização chega todos os anos aos alunos entre o 1º ao 9º ano (cerca de 24000 alunos nos estabelecimentos públicos) recebendo cada aluno várias sessões (de 45/60 min cada). São também sensibilizados os docentes e não docentes das escolas.

  • Caraterização da Intervenção
    Os técnicos que participam nestas ações desenvolvem os seguintes assuntos:

    Tema 1 – Segurança de Pessoas e Bens

    Subtema: 1 – O cumprimento de normas e medidas de segurança de pessoas e bens
    Conteúdos: Conhecimento dos gestos que salvam uma vida (Alerta 112, massajar e reanimar, desfibrilhar).

    Subtema 3 – Os riscos tecnológicos e os riscos mistos
    Conteúdos: Identificação de riscos tecnológicos: incêndios em edifícios, marés negras, libertação acidental de agentes químicos ou biológicos, acidentes industriais; Identificação de riscos mistos: incêndios em zonas florestais; Autoproteção e prevenção face aos riscos tecnológicos e riscos mistos; Recomendações gerais de segurança.

    Subtema 4 – O Plano de Emergência Familiar e o Plano de Prevenção e Emergência das Escolas
    Conteúdos: Conhecimento do Plano de Emergência Familiar, suas componentes e importância; Noção de evacuação e de abrigo; Conhecimento do Plano de Evacuação da Escola: alarmes, cominhos de evacuação, pontos de encontro; Conhecimento das normas e regras de evacuação; Conhecimento e interpretação da sinalética de segurança; Noção de alarme (sinal sonoro) e alerta (112); Conhecimento básico da utilização dos meios de alarme dos edifícios; Conhecimento e interpretação das plantas de emergência dos edifícios; Atitudes assertivas em situações de emergência.

    Subtema 5 – Os agentes da Proteção Civil, emissão de avisos e principais medidas de autoproteção (apenas para 2.º e 3.º Ciclos): Conhecimento dos diferentes agentes de Proteção Civil; Conhecimento genérico da estrutura, organização, funcionamento dos diversos agentes de Proteção Civil; Conhecimento das cadeias de comando dos diversos agentes de Proteção Civil; Conhecimento dos diferentes tipos de avisos meteorológicos; Conhecimento das medidas de Autoproteção face aos diferentes níveis de aviso.
    (em cada ação incluir imagens de ações de formação realizadas)

Exercícios de Mass Training em Suporte Básico de Vida, para a comunidade escolar e população em geral;

Os exercícios de Mass Training em Suporte Básico de Vida tem como objetivo primordial sensibilizar/habilitar a comunidade escolar e a sociedade em geral para a correta atuação em situações de emergência, nomeadamente no reconhecimento de situações de paragem cardíaca (PCR), e para a realização de manobras de reanimação numa situação real.

Trata-se de um importante reforço da Cadeia de Sobrevivência, saber como reagir e o que fazer quando o coração está parado, com recurso às próprias mãos, suportando a vida com compressões torácicas, até que os serviços de emergência médica cheguem.

A iniciativa tem a particularidade de permitir a formação em simultâneo de várias dezenas de pessoas, coordenada por um conjunto de formadores especializados e técnicos de socorro de emergência pré-hospitalar.

  • Caraterização da Intervenção
    O exercício é constituído por uma parte teórica e uma parte prática.
    Na parte teórica, o formador faz uma breve exposição sobre o programa e o desenvolvimento da ação, falando da problemática da PCR e dos gestos que salvam vidas (reconhecimento e 112, SBV e DAE).
    De seguida, é feita uma simulação prática de abordagem de uma vítima em PCR, ao som da música Stayin' Alive, dos Bee Gees, onde os presentes são distribuídos pelos vários formadores e técnicos que se encontram no local.


  • Dia da Proteção Civil - Exposição, na Praça do Povo, Funchal
    A exposição realizada na Praça do Mar, com várias organizações e instituições ligadas à proteção e socorro na RAM.
    Esta exposição é visitada por alunos e professores de vários estabelecimentos de ensino da RAM, além da grande afluência de populares, durante todo o dia.
    Em 2017, estiveram envolvidas nesta atividade mais de 200 pessoas.


  • Dia da Defesa Nacional.

       Em coordenação com o Ministério da Defesa Nacional, o SRPC, IP-RAM participou, nos últimos 4 anos, no programa do Dia da Defesa Nacional que teve lugar nas          instalações do RG3, através de uma pequena intervenção sobre a proteção civil, acompanhada por uma exposição de meios de intervenção em situações de                       emergência.

       Em 2017, esta participação teve a duração de 25 dias e foi vocacionada para um universo de 2313 jovens oriundos de todos os concelhos da Região.

 

c. Prevenção de Riscos - Panfletos